quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Cavisk Art

Com permissão para uma dose de realidade (se é que seja esse o nome a dar).

Não sei bem quando começa, a única coisa que posso afirmar é que, com o passar do tempo, a casa da gente vai se tornando algo parecido com um santuário. Afinal, é o lugar onde esperamos encontrar um pouco de paz e alívio - às vezes parece ser o único do Universo a nos dar isso. A coisa é mais transcendental do que imaginamos. Nossa casa é onde levamos as pessoas que queremos dentro da gente de alguma forma, amigos, irmãos, família e similaridades (sem entrar no quesito affair). É onde nos desarmamos de barreiras e muros que criamos para enfrentar o mundo de gente grande que tem lá fora. Nossa casa é onde esperamos nos recompor de tudo e qualquer coisa, onde dormimos e até sonhamos. Pois bem, pude receber um amigo em minha casa, e, mais do que isso, recebi a arte dele, ele deixou um pedaço dele aqui em casa. E eu, de tanta felicidade, paro até a poesia para registrar esse momento. Sem querer (nem poder) falar tecnicamente do pintura, tudo foi feito em tinta acrílica (ainda tem uma aqui em casa, um tal de Vermelho China 57) em uma noite regada a uma 'cana' (como o artista mesmo expressa no blog dele), sem esboços, alma nas mãos, maõs nas tintas e tintas na parede. Confesso ter ficado felicíssima e muito agradecida pelo desprendimento dele ao fazer isso para mim. Agora assim, tenho um corredor de Galeria de Arte bem na saída do quarto!

Clique para ver mais da arte dele:

Mais fotos da obra:
"Temos a arte para não morrer de verdade"
[Friedrich Nietzsche]

3 comentários:

Mayla Pita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mayla Pita disse...

Oi Tatiani,

Que bom saber que fui "achada" por você, ainda que por acaso. Desta mesma forma também já encontrei blogs maravilhosos ao ponto de perder a conta do tempo que ficava ali, navegando pelas letras.
Ao ver teu recado dei uma passeada pelo teu blog também. Parabéns pela escrita! Volta e meia darei uns pulos por lá. Abraços e boas energias para todos nós.

ErikaH Azzevedo disse...

De tudo gostei mais do "sem esboços, alma nas mãos, maõs nas tintas e tintas na parede. "...pq se em fotografia aqui assim senti, imagine de perto... me deu até uma invejazinha boa viu! hehehe..queria ter o dom de pintar... me lembrei agora de Agua viva, onde clarice fala tanto desse dom que ela tb teve.

ô flor, vc merece esse carinho viu, e merece ainda mais. E o bom é que a pintura serviu pra darmais alma as suas duas casas né, a daí, e a daqui..hehe

Bjos meus.

Erikah