terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Coisas da Vida


Na função de extravasar mais do que um grito.

As milhões de mídias virtuais existentes me assustam. Um pouco mais a cada dia. Além de todos os fatores já observados pelos entendidos no assunto (ou por aqueles que se ocupam mais com este assunto do que eu), o que mais tem chamado minha atenção é a grande quantidade de mídias iguais. Todos se adicionam, trocam mensagens, vídeos, post's, soltam frases com pompas de citações filosóficas, mas, lá no âmago a intenção é sempre a mesma: conglomerar laços que não existem, impor-se uma personalidade cult que não tem haver com sua realidade e persistir em uma exaustiva tentativa de povoar uma vida.

É notório que em todos estes meios existem as "ferramentas de perseguição": os aplicativos de mensagens instantâneas. Se houver algum usuário que nunca tenha usado uma destas ferramentas e precisou ficar "off line" para não ser incomodado, que me desminta! O que mais me intriga é o fato de não saber onde foi que criaram a obrigatoriedade de se responder a todas as janelas que aparecem, piscam, emitem sons indesejados e quase fazem malabarismo como um cachorrinho que quer receber atenção. Óbvio que o uso adequado das (mesmas) diversas mídias nos salvam e nos aliviam os bolsos, mas, nem sempre tem alguém on line pr'aquela conversa instantânea, que tem como função saciar instantaneamente uma saudade (na melhor das hipóteses), ou para aliviar instantaneamente sua falta de tempo; e tudo vai ficando instantâneo, remendável e instável.

No que tange as postagens diversas, natural que as pessoas tenham a necessidade de serem ouvidas, de terem seus pensamentos apreciados (curtidos) por outros. Só que em meio a necessidade de se expressar, corremos o risco de falar o que não se deve, o que não se pensa e o que não foi questão de julgamento. Ou seja, expõe-se algo que poderia muito bem ficar guardado só para você. Porque existem certas convicções que são tão suas que, se forem lançadas, acabam por perder a autenticidade. É legal pensar em poupar o mundo daquilo que não é verdadeiro em você. Toda sua altivez, requinte, todo o seu ser esguio acabou de des-mo-ro-nar em apenas uma frase. Alguém já disse que leva-se uma vida para construir, mas segundos para destruir.

Além da comida express, existem os amigos instantênos! Não falo isso no sentido de que eles vão embora rapidamente, puro engano. Tem alguns que, uma vez adicionados, vão habitar sua página inicial para todo o sempre! Pior do que isso são os que se acham no direito (seria muito drástico usar a palavra 'intimidade' aqui?) de 'adicionar alguém' pelos dois piores motivos do universo: ou porque vocês possuem amigos em comum (ninguém é exclusivo, óbvio que temos amigos em comum!) ou, ainda, porque gostaram do seu layout. Será que essa competição pela maior quantidade de amigos virtuais também é uma fome instantânea de pseudo-popularidade?!

Confesso que termino ainda mais assustada do que quando inciei. Gostaria de encontrar um sentido transcendental para isso tudo, até bíblico, quem sabe?! Infelizmente só possuo as questões, as respostas parecem não me caber. Engraçado como vamos nos apegando às imperfeições do olho no olho e sentindo saudades de uma época em que resolvíamos nossas questões com cara e coragem e não com dedos e intenções. Por que hoje em dia acabamos por dar mais valor às coisas antigas, ditas ultrapassadas? Por que, nessa nossa nova e evoluída cultura, onde temos acesso a tudo de mais moderno, vamos nos deliciando com os sons chiados dos LP's? Por que o preto e branco das imagens vão nos chamando mais a atenção do que os recursos de photoshop? Será que estamos cansados de evoluir? Será?!

Ter mais sede de pele e de cheiro. Um apelo afônico.



"Depois que eu envelhecer, ninguém precisa mais me dizer como é estranho ser humano. São coisas da vida. E a gente se olha e não sabe se vai ou se fica"

[RitaLee]



3 comentários:

Vanessa Souza Moraes disse...

Essa modernidade líquida assusta-me um pouco.

Linda imagens.

ErikaH Azzevedo disse...

E eu que sou sempre tão on, fico cada vez mais offline.

Eu encaro esse mundo muito mais pro lado da magia do que pro da realidade, embora seja uma magia que eu trago constantemente pra minha realidade.
Eu confesso que só consigo estar na net com quem não consigo estar pessoalmente, para pessoas do cotidiano, do olho no olho, do sorriso ao lado, do abraço mais colado , a net não me serve pra estar com essas pessoas, me perde um pouco a graça estar por elas por esse meio.
A net pra mim serve sim pra eliminar distancias, encurtar dimensões, aproximar ideais, trocar sonhos, e encostar essências ...
Tenho aprendido muito Tati, tenho crescido muito aqui, vivido muito, evoluído muito tb...tudo aqui caminha numa intensidade que só faz aumentar...posso conviver com pessoas que em outros tempo não conviveria, ser um pouco de mim nelas e ter tb um pouco delas em mim....eu hj posso me sentir muito mais vc do que me sentia qdo nos conhecemos um dia. E assim é que tb é com tantas pessoas que se tornaram especiais em minha vida....pessoas que mesmo que não as veja sempre, levarei comigo pra sempre....pode acreditar. Eu consigo tirar da net somente o que me faz somar....

Querida, saudades....muitas!

bjos

Erikah

andrekano disse...

Para um devaneio, até que esse post é bem concreto. rs...

Tenho a seguinte relação com as redes sociais (adorei os cartazes de propaganda 'vintage'): creio que como tudo na vida, usadas em demasia, fazem mal. E é óbvio que a estrutura das redes sociais acabam viciando naturalmente como quaisquer outras coisas que deem algum prazer, não importa de que tipo.

Então eu entendo o seu post como se alguém estivesse falando da falta de inteligência que existe em qualquer vício. Em qualquer um.

Adoro a idéia já bem difundida e que aqui só repito de que a internet não é uma rede de computadores, mas uma rede de pessoas. E ela será tão boa ou tão ruim como as pessoas o são em suas vidas. Até esses fulanos que vc aponta como criadores de profiles incompatíveis com suas realidades reais são pessoas que na vida real encontram inúmeras outras formas de mentir aos outros e a si mesmos como eles são bons.

As redes sociais não são ruins por si só. Isso vem das pessoas.

As redes sociais não são boas por si só. Isso vem das pessoas.c