terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

ILETRADO


E eu dei para tatuar tuas palavras pelo corpo
Como se quisesse desenhar o teu rastro
Teus efeitos, tuas surpresas, tuas borboletas.
Mas esqueci que tu tinhas mais com o que se ocupar,
Nunca fostes dado a ler. Não o sabes entender.

E das cartas que lhe escrevi,
o Amor só reconheceu o seu nome.
Nada além neste mundo de significados.

4 comentários:

Ivan Bueno disse...

Tatiani,
Somente os versos "E eu dei para tatuar tuas palavras pelo corpo / Como se quisesse desenhar o teu rastro" já formam um poema todo. Muito bom.
Beijo grande.

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Por que você faz poema? disse...

Neste mundo de significados
palavras não têm importância.

ErikaH Azzevedo disse...

MInha menina,

Essa leitura é de dificil entendimento, mas tão fácil qdo há reciprocidade na sintonia que un um ao outro. De qualquer modo é sempre válido perpe(ta)tuar o sentimento assim....é nas sensações que o amor tatuado está, essa é uma vontade que sempre foi minha...é tão bom qdo alguém sabe nos ler nas entrelinhas né....

Eu amei esse teu poemar,viu! orgulho-me muito de te ter tão perto, em estima, e em consideração, em ti sempre me vejo tão maior...e tantas vezes sinto-te como espelho que confesso, adoro me sentir refletir em vc.

Bjos minha querida, monte deles.

Erikah

andrekano disse...

que coisa mais triste isso. escrever tanto e chegar a tatuar esse tanto a alguém que não sabe ler porque não ama...